13 outubro 2015

Análise de Under The Dome

Acabei de assistir as 3 temporadas de Under the Dome e estou aqui para deixar minha opinião sobre esta série. Sem spoilers. :D

Tá bem, spoilers leves.


Em português, "sob a redoma", é uma adaptação de um livro de Stephen King -  o que para mim não contou nada já que nunca li nenhum livro dele - e um dos produtores é ninguém mais ninguém menos que Steven Spielberg.

A história


A ideia da série é muito boa, uma redoma, ou dome, ou seja lá como você prefira chamar essa parada sinistra, simplesmente cai por Chester Mill, que é uma cidade pequena, e a isola do resto do mundo.

Esse ocorrido puxou a primeira temporada inteira de forma muito empolgante, você fica querendo ver um episódio após o outro, tanto porque quer saber que raios é essa coisa que apareceu do nada e outros mistérios ligados a ela quanto porque quer ver como eles lidam com as diversas questões de sobrevivência já que estão presos lá dentro sem quase nenhuma comunicação com o mundo exterior.



Preciso falar do primeiro episódio, quando a redoma cai ela atinge coisas e é muito interessante como este fato é explorado. A vaca (ou boi, vai saber) partida ao meio, aquele avião que colide com a redoma, pessoas decapitadas, o caminhão se chocando...



Em fim, é bem interessante ver também o crescimento do desespero deles, primeiro é "ok, não há com o que se preocupar, vão nos tirar daqui em breve" depois "ai Jesus, estão lançando uma bomba em nós" e aí o desespero se instala quando percebem que ninguém de fora pode, de fato, fazer alguma coisa.



E então as coisas mais sobrenaturais começam a acontecer (se é que o fato de uma redoma ter caído do nada não seja sobrenatural o suficiente). Eu fiquei realmente com o pé atrás porque não curto nada com alienígenas, tenho dificuldade de gostar de historias que envolvam esse tipo de coisa. Porém a abordagem que a série usou não me desagradou muito. Ao menos nada de seres asquerosos com tentáculos e uns cabeções.

Os personagens




Os personagens são ok, não teve nenhum que chamou minha atenção em especial. Só cidadãos comuns: Uma jovem meio rebelde que tem um irmão nerd que se apaixona por uma garota grosseira filha de um casal de lésbicas que estavam de saída da cidade quando a coisa caiu assim como outro personagem, o Barbie, que é um ex militar e a acabou de matar um cara que, a propósito era o marido da mulher por quem ele se apaixona que é jornalista e está investigando o prefeito que é um pilantra e pai solteiro de um jovem mimado que quer tudo a qualquer custo inclusive a irmã rebelde do nerd.



Acho que o vilão, digamos assim, da série é o prefeito. Mas o problema é que os acontecimentos te levam a ora, odiá-lo, ora amá-lo. Não sei se isso é bom ou ruim, mas que dá raiva dá.









Agora um personagem que realmente me deixou com raiva foi o do filho do prefeito, e digo isso começando com o trabalho péssimo do ator. Mano, olha pra essa cara!

Ele não faz sentido nenhum, começa como um cara possessivo, algo extremamente ruim, depois é uma peça fundamental no que diz respeito a salvar a cidade... Tsc.








O cara "ex militar bonzão preparado pra tudo bonitão" é um clichê que não poderia faltar, e até que caiu bem na série. Então temos o Barbie.

A mulher bonita que também não poderia faltar. O ser bom e determinado em lutar pelo bem de todos, essa é a Júlia. Ela e o Barbie não demoram muito em formar um casal.  O que não seria um problema se ele não fosse o cara que matou o marido dela.

Sim, a redoma não é a única coisa difícil de engolir na série.
Como é dito no começo dos episódios, ela trás à tona o melhor e o pior dos personagens.

Trilha sonora e outros


Bem, a trilha sonora não é um ponto forte da série mas também não é ruim. Na verdade eu nem cheguei a notá-la de fato, tipo, "cara essa música é legal". Agora falando da câmera, da filmagem (não que eu seja uma cineasta nata que sabe realmente o que está falando, mas como uma apreciadora de filmes e séries, apenas) até que eu gostei. Temos os efeitos especiais das estrelas caindo, aliás isso é algo que me incomodou um pouco já que na maioria das vezes as estrelas estão é subindo e não caindo, como os jovens falam durante as convulsões, e nem estão em linhas. , do boi partido ao meio, do caminhão, da própria redoma mudando de cor, entre outros.

E no geral acho que é isso.

Eu meio que me programei para as férias, separei livros e séries, porém eu nem sei o porquê de ainda fazer isso já que não consigo seguir a risca hehehe e Oh my God, a lista é de julho, JULHO, e ainda não fiz nem a metade... Sendo que estou em casa por causa da greve na facul.

Eu não consigo cumprir uma lista.
Eu não consigo nem manter um blog atualizado.

E com essas autodescobertas inspiradoras eu me despeço.